Sexta-feira, 23 de Julho de 2010
nv

não me percebes. as lagrimas sao só minhas. os tremores também. os vomitos do nervoso que me atormenta. o nao aguentar. o tu nao estares e ires embora exactamente quando mais preciso.

só quero chorar, mas nem isso, a garganta está seca e quem sabe se os olhos não o estarão, choro com as unicas lagrimas que tenho que sao as do coração.

nunca pensei chegar até aqui, nunca pensei chegar até aqui. nunca.

nunca pensei que afinal ainda existissem lagrimas e que eu ja nao as pudesse controlar, ja nao as limpo. talvez seja melhor assim. talvez eu nao aguente mesmo e tenha que chorar. talvez.

porque eu so precisava de uma certeza.

mas eu nao tenho certeza nenhuma. tenho um nó na garganta e um medo de te perder que está no meu corpo todo, a cada tremor a cada pulsação. enquanto dormes eu morro por dentro, vou hidratando e desidratando os meus olhos a medida que os pensamentos me passam pela cabeça. a força que não tenho, a coragem que perdi dizem adeus e mostram-me o que estou a perder. a garganta continua seca e eu tenho medo, muito medo. e se amanha não estiveres?

enquanto tu dormes o meu rosto encharca-se em lagrimas, aquelas que eu achei já não ter, o nó na garganta é cada vez mais apertado e só consigo pensar naquilo que me deixou assim, nas pessoas que são parte destas lagrimas e nas que as aplaudem com vigor e prazer. odeio-vos. odeio-vos e nao posso deixar que me tirem o que mais amo. nao posso. amo-te

nao aguento, nao aguento.

publicado por 4senses às 23:41
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
24

25
26
27
28
29
30


arquivos
2013

2012

2011

2010

blogs SAPO


Universidade de Aveiro